RSS

Arquivo mensal: abril 2015

Google passa a ‘esconder’ sites descalibrados com o mundo móvel

gerati-01

Empresa vai considerar se página funciona bem em smartphones e tablets”.

Além de design adequado, páginas têm de carregar com internet móvel

As páginas na internet não preparadas para smartphones estão prestes a escorregar para bem longe do topo de pesquisas feitas no Google. A gigante da tecnologia passa a considerar se um site é amigável a dispositivos móveis como um dos critérios para escondê-lo ou ranqueá-lo entre os primeiros resultados da pesquisa. A novidade vale a partir desta terça-feira (21).

“Essa mudança afetará as pesquisas móveis em todas as línguas ao redor do mundo e irá ter significantes impactes nos nossos resultados de busca”, informou o Google, em fevereiro. Ela é uma resposta da empresa à tendência cada vez maior de a navegação na rede migrar do computador de mesa para dispositivos móveis.
(Após a publicação do texto, o Google informou que a mudança do algoritmo vale apenas para pesquisas feitas em celulares e que a adoção do design responsivo é um entre outros 200 critérios para avaliar a relevância de uma página; o texto foi corrigido)

“Desce”
“Conforme mais pessoas usam dispositivos móveis para acessar a internet, nossos algoritmos têm de se adaptar a essa camada de uso”, afirmou o Google. Os algoritmos da ferramenta de busca do Google consideram critérios para privilegiar certas páginas e não outras como relevância, disponibilidade (estar constantemente fora do ar não é bem visto) e balanceamento entre o conteúdo o buscado e o exibido pelo site (os “robozinhos” do Google são capazes de detectar se uma página exibe informações consistentes ou se apenas as reproduzem para se sobressair).

Passa a fazer parte dessa avaliação o chamado “design responsivo”, ou seja, a calibragem de uma página para ser mostrada nas telas de smartphones e tablets. Conta também a performance de conexão site. Se ela é leve o suficiente para carregar considerando as velocidades da internet móvel, menores que as do acesso fixo. Segundo a empresa, sendo esse um dentre 200 outros critérios de avaliação, caso os outros atestem a relevância da página, ela ainda assim será exibida no topo. O Google já realizou mudanças como essa em seu algoritmo para, por exemplo, “esconder” sites que ofereciam o download pirata de conteúdos.

Agora, a alteração tem forte potencial de mudar a vida de empresas com forte atuação no mundo digital. “Imagina uma loja de comércio eletrônico que não tenha um site móvel e precise do tráfego orgânico do Google. Esse site vai cair no ranking e isso pode gerar impacto na receita dessa empresa”, afirma Vinícius Agostini, diretor de marketing da Exceda, empresa que turbina a performance de serviços conectados.

“Sobe”
O caminho do Google até a completa adoção do chamado “design responsivo” como critério de ranqueamento foi construído aos poucos. No ano passado, começou a mostrar aos internautas quais eram os sites calibrados para o mundo móvel.

Para tornar a navegação mais próxima da rotina dos smartphones, a busca passou a informar não só páginas mas também aplicativos que pudesse contemplar as pesquisas. Ainda que seja um desafio, a mudança pode se tornar uma oportunidade. “Com essa mudança, se você fizer uma busca por ‘controle financeiro’, o Google vai mostrar apps que tratem desse tema”, afirma Agostini. Essa opção só vale se o usuário já tiver o aplicativo instalado. “Agora, o Google vai priorizar páginas de serviços q são bons para o meio que a pessoa está usando”, completa o executivo.

Compartilhe

Gerati Soluções em TI

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em abril 27, 2015 em Noticias

 

Tags: , , ,

Kaspersky Lab alerta: WhatsApp para PCs é utilizado como gancho para spam e trojans bancários

Analistas da Kaspersky Lab descobriram vários anúncios maliciosos na América Latina que se aproveitam da nova versão do WhatsApp para PCs – que já é realidade – para propagar malware e infectar os usuários. A Kaspersky Lab revelou a distribuição de mensagens maliciosas sobre um suposto WhatsApp para PCs muito antes do aplicativo acrescentar a plataforma a seu repertório.

No Brasil, especialistas da empresa de segurança encontraram vários domínios maliciosos registrados para serem utilizados nestes ataques. Alguns já estavam em uso e outros esperando o comando dos proprietários para propagar trojans bancários brasileiros:

PR_TrojanWhatsApp_198-260649

Os especialistas da Kaspersky Lab descobriram também que existem várias versões não oficiais de WhatsApp para PCs que circulam em países de língua espanhola e árabe. Abaixo, um site que oferece uma versão de “WhatsApp Spy” para a instalação:

PR_TrojanWhatsApp_298-260650

Ao clicar, o usuário é redirecionado a uma página que pede o número do seu celular para poder fazer o download do aplicativo, mas o que fará de verdade é inscrever o usuário em serviços de números premium que lhes custarão dinheiro e lhes enviarão mensagens de spam.

“Não há dúvidas de que o WhatsApp é um dos serviços de mensagens instantâneas mais populares hoje em dia. Seus 700 milhões de usuários em todo o mundo estavam esperando ansiosamente a prometida versão para PCs anunciada há alguns dias, mas não eram os únicos, já que os cibercriminosos também estavam atentos a expectativa gerada pela nova versão e estão aproveitando a deixa para aplicar seus golpes, disse Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab.

Segundo Assolini, não é difícil encontrar cibercriminosos brasileiros se fazendo-se passar por empresas de marketing, oferecendo pacotes de venda para espalhar spam. Seus serviços não apenas incluem texto, como também a oportunidade de distribuir fotografias, áudio ou vídeo.

PR_TrojanWhatsApp_398-260651

Infelizmente, não é possível bloquear mensagens de contatos desconhecidos no WhatsApp; a única possibilidade é bloquear o remetente depois que chega a mensagem, o que não resolve completamente o problema. A Kaspersky Lab recomenda que os usuários visitem os sites oficiais das empresas para fazer downloads de qualquer aplicativo. É importante não clicar em links recebidos por e-mail, redes sociais ou através de buscadores da web, já que podem ser imitações e causar um baita incômodo.

Para mais informações sobre a investigação, visite: Securelist.

A Kaspersky Lab é a maior empresa privada de soluções de Proteção Endpoint do mundo. A empresa está classificada entre as quatro maiores fornecedoras de soluções de segurança para usuários Endpoint* do mundo. Ao longo de sua história de mais de 17 anos, a Kaspersky Lab se manteve como uma companhia inovadora em segurança de TI e fornecedora de soluções de segurança digital eficazes para grandes empresas, PMEs e consumidores finais. A Kaspersky Lab tem sua holding registrada no Reino Unido e atualmente opera em cerca de 200 países e territórios em todo o mundo, fornecendo proteção para mais de 400 milhões de usuários. Saiba mais em www.kaspersky.com.br

* A empresa foi classificada em quarto lugar na classificação IDC Worldwide Endpoint Security Revenue by Vendedor, 2013. A avaliação foi publicada no relatório IDC “Worldwide Endpoint Security 2014-2018 Forecast and 2013 Vendedor Shares (IDC n º 250210, agosto de 2013). O relatório classificou os fornecedores de software de acordo com os ganhos provenientes da venda de soluções de segurança de terminais em 2013.

Fonte: Kaspersky

Curta e Compartilhe

Gerati – Gerenciamento e Soluções em TI

 
Deixe um comentário

Publicado por em abril 8, 2015 em Noticias

 

Tags: , , , , , , ,

Unitron Ap II – Confira a evolução dos microcomputadores

apii_01Fabricante: Unitron Eletrônica
País: Brasil
Linha: Apple
Compatibilidade: Apple II
Ano de lançamento: 1982
Processador: 6502
Clock: 1 MHz
Memória RAM: 16 ou 48 Kbytes
Tela modo texto: 23 linhas x 40 colunas
Tela modo gráfico: 280 x 192 pixels
Modelos: Ap II, Ap II TI

O Unitron Ap II foi um dos primeiros microcomputadores brasileiro inteiramente compatível com o Apple II norte-americano, tinha a forma interna e externa praticamente idêntica com gabinete único, teclado profissional integrado, unidade central em uma única placa, oito soquetes de expansão, fonte blindada incorporada ao gabinete, monitor de vídeo e demais periféricos separados.

O gabinete central do Ap II é de plástico estrutural, com tampa removível para fácil acesso ao interior. O microprocessador utilizado é o 6502 de 8 bits de dados e 16 bits de endereçamento, o clock é de 1 MHz, a memória ROM é de 12 Kbytes, a memória estática RAM vinha com um mínimo de 16 Kbytes e um máximo endereçável de 48 Kbytes. A placa-mãe incorpora oito soquetes para adição de diversas placas de expansão e de controles de periféricos tais como: expansões de memória RAM, de 32, 64 e 128 Kbytes; módulo de 80 colunas para vídeo; módulo Z80, que substitui o microprocessador 6502 e permitia a utilização do sistema operacional CP/M 2.x; placa PAL/M com modulador RF, com duas saídas, para monitor de vídeo e TV em cores; interface RS-232C, etc.

O painel traseiro dispõe de conectores para o monitor de vídeo, gravador cassete, controladores de jogos, o botão liga/desliga, etc., além de ranhuras para dar passagem aos cabos de conexão com os soquetes internos. O Ap II tem também um pequeno alto-falante interno, para a produção de sons.

O sistema operacional padrão do Ap II era o DOS 3.3 e adicionava ao BASIC vários comandos de acesso a disco. A linguagem de programação da versão básica era o BASIC científico (desenvolvido pela Microsoft norte-americana), armazenada na ROM do sistema. A ROM incluia um programa-monitor simplificado, que permitia o acesso direto aos recursos do microprocessador 6502 e à programação em linguagem de máquina.

Com os sistemas baseados em disquete, tanto em DOS quanto em CP/M, existia um grande número de compiladores e interpretadores das linguagens mais conhecidas como o BASIC, Assembly 6502, Fortran, PL/I, Pascal, Algol, Lisp, Cobol, RPG, Pilot, Logo, Prolog, C, etc.

Os aplicativos disponíveis se distribuiam por uma vasta gama como banco de dados, processamento de texto, planilha eletrônica, elaboração de gráficos, controle de processos, estatística e matemática, engenharia, educação, medicina, aplicações domésticas, jogos, etc.

Em 1984, a Unitron lançou uma versão do Ap II denominada TI (Teclado Inteligente), visando ao processamento de textos em língua portuguesa, letras maiúsculas e minúsculas. Tratava-se de uma variação do micro original.


TECLADOO teclado, integrado ao gabinete central, é do tipo profissional, com acionamento eletromecânico e disposição QWERTY, com 52 teclas, sem bloco numérico sepadado. A versão TI (Teclado Inteligente) oferecia as seguintes funções adicionais:

  • Teclado ASCII completo, com 128 caracteres, e até 12 funções separadas por tecla.
  • Exibição no vídeo de todos os caracteres ASCII imprimíveis.
  • Teclas definíveis pelo usuário.
  • Buffer de 128 caracteres.
  • Repetição automática em todas as teclas.
  • Repetição automática rápida (50 cps).
  • Modos de operação ativados separadamente: modo normal Apple (só maiúsculas), máquina de escrever (maiúsculas, munúsculas e trava do SHIFT) e acentuação da língua portuguesa.

VÍDEOA versão básica dp Ap II permitia a utilização de um monitor de vídeo monocromático de alta resolução. Através da placa de controle PAL/M podia utilizar uma TV doméstica em cores, com modulação RF (entrada pela antena) ou inserção direta de sinal composto de vídeo.

O formato padrão de apresentação é de 23 linhas por 40 colunas, em matriz de 5 x 7 pontos, apenas maiúsculas. Através da placa de 80 colunas, o formato pode ser expandido. Como no Apple II, a capacidade gráfica tem dois modos, acessados pelo BASIC: resolução baixa, em 16 cores, com 40 x 48 pixels, e resolução média, em seis cores, com 280 x 192 pixels.


MEMÓRIA AUXILIARA versão básica do Ap II tem uma interface de entrada/saída para um gravador cassete comum, sem controle do motor, taxa de transferência de 1.200 bauds. Na versão com controlador para discos flexíveis de 5,25 polegadas cada placa de expansão controlava até duas unidades de disquetes com face e densidade simples, podia-se chegar até um total de três placas ou seis unidades de disquete. A capacidade total por disquete era de 143 Kbytes.

Recorrendo-se a outros fornecedores, podia-se conectar um disco rígido tipo winchester de 5,25 polegadas, de 5 Mbytes, com padrão compatível com o ProFile da Apple.


PROPAGANDApropagandaFonte: Museu da Computação e Informática – MCICurta e CompartilheGerati Solções em TI

 
Deixe um comentário

Publicado por em abril 2, 2015 em Noticias

 

Tags: , , , , ,