RSS

Arquivo da tag: facebook

Golpistas distribuem extensões falsas do Chrome no Facebook

A empresa de segurança Radware revelou que golpistas publicaram links no Facebook para disseminar extensões maliciosas para o navegador Google Chrome, do Google. Os links publicados no Facebook pelos usuários infectados levam uma página falsa que copia a aparência do YouTube, mas exige — falsamente — a instalação de uma extensão para reproduzir o vídeo.

Segundo a Radware, foram infectadas 100 mil pessoas em 100 países diferentes. Os três países mais infectados eram as Filipinas, Venezuela e Equador. Juntos, os três eram responsáveis por 75% das contaminações.

chromeFace

Pedido de instalação de extensão do Chrome sobre site com aparência copiada do YouTube (Foto: Radware)

O Chrome só permite a instalação de extensões cadastradas na Web Store, que é mantida pelo próprio Google. Para conseguir listar as extensões maliciosas na loja, os golpistas copiaram extensões legítimas e injetaram um código extra, dando a aparência de uma extensão verdadeira.

O nome do golpe, que a Radware batizou de “Nigelthorn”, é baseado na Nigelify, uma extensão legítima para o Chrome que foi copiada pelos criminosos.

Uma vez instalada, a extensão é capaz de realizar várias atividades, incluindo:

 Roubar senhas de acesso ao Facebook/Instagram;
 Publicar e enviar mensagens no Facebook/Instagram (o que é usado para atrair novas vítimas);
 Mineração de criptomoeda, o que gera lucro para os invasores;
 “Assistir” a vídeos no YouTube (de forma invisível) ou inscrever a vítima em canais sem autorização;
 Redirecionar o navegador para abrir páginas específicas.

As extensões maliciosas já foram removidas da Chrome Web Store, mas internautas devem ter cuidado ao instalar qualquer extensão do Chrome, especialmente quando o pedido da instalação vier de sites fora da Web Store.

Fonte: Globo

Curtam nossas páginas

Acessar-o-link-agora

Skype: gerati.vendas

Curta e Compartilhe

CONTATO DIRETO: comercial@gerati.com.br
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
►Para DÚVIDAS, MANUTENÇÃO, SUPORTE ou COMPRA DE PCs temos as CONSULTORIAS onde você terá suporte do próprio dono do canal pessoalmente te ajudando com tudo!
Entre em contato pelo e-mail: comercial@gerati.com.br
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬

► Site : http://www.gerati.com.br
► Serviços exclusivos: http://geratisolucoes.com.br
► Facebook : https://www.facebook.com/gerati.loja/
► Facebook : https://www.facebook.com/geratisolucoesti
► Blog: https://gerati.wordpress.com/
► Twitter: https://twitter.com/Gerati_Games
► Video: https://www.youtube.com/user/geratisolucoesti

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em outubro 16, 2018 em Noticias

 

Tags: , , , , , , , , , , ,

Facebook vai bancar cabo submarino de 2.500 quilômetros entre Brasil e Argentina

Cabo submarino Malbec de 2.500 Km e ligará Rio de Janeiro e São Paulo a Buenos Aires e deverá fortalecer conexões entre os países do cone sul

cabo

O Facebook anunciou na quarta-feira (5) que será parceiro de um novo cabo submarino chamado Malbec, ligando Rio de Janeiro e São Paulo à Argentina. Ele terá 2.500 quilômetros de extensão e deve começar suas operações no primeiro semestre de 2020.

Segunda a empresa especializada TeleGeography, o Facebook já é coproprietário de pelo menos dez cabos submarinos ao redor do mundo. Entre eles está o cabo submarino Marea, em parceria com a Microsoft, que conesta os Estados Unidos até a Espanha; e o cabo Havfrue, do Google, que ainda não está ativo mais ligará a costa leste dos Estados Unidos até a Dinamarca.

Já o Malbec vai ligar Rio de Janeiro a São Paulo através de um landing point em Praia Grande (SP) e seguirá até uma estação em Las Toninas, na Argentina, para se conectar a Buenos Aires. A instalação do cabo já começou e ficará a cargo da Alcatel Submarine Networks, ou seja, o Facebook será apenas um dos financiadores.

Já o Malbec vai ligar Rio de Janeiro a São Paulo através de um landing point em Praia Grande (SP) e seguirá até uma estação em Las Toninas, na Argentina, para se conectar a Buenos Aires. A instalação do cabo já começou e ficará a cargo da Alcatel Submarine Networks, ou seja, o Facebook será apenas um dos financiadores.

O Malbec pertence, oficialmente, à Globenet, operadora de cabos submarinos controlada pelo banco BTG Pactual, e foi anunciado originalmente em maio, mas sem a parceria com o Facebook. A empresa estava procurando “OTTs, provedoras de cloud e clientes de operadoras que querem aumentar seu alcance em toda a região”, segundo o Teletime.

A Globenet não revela qual será a velocidade de seu cabo submarino, mas informa que ele possui seis pares de fibras ópticas, o dobro da capacidade atual de conexão entre a Argentina e outros países.

Segundo a Globenet, o cabo submarino Malbec permitirá conectar empresas no Cone Sul (Argentina, Chile, Uruguai e sul do Brasil) e criará uma rota mais direta aos Estados Unidos. Ela tem 23.500 km de cabos submarinos instalados nas Américas. Com essa iniciativa, o Facebook espera ampliar sua influência e sua presença na região, num momento em que sua imagem está desgastada por conta dos recentes escândalos de vazamento de dados de seus usuários.

Curta e Compartilhe

Skype: gerati.vendas

CONTATO DIRETO: comercial@gerati.com.br
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
►Para DÚVIDAS, MANUTENÇÃO, SUPORTE ou COMPRA DE PCs temos as CONSULTORIAS onde você terá suporte do próprio dono do canal pessoalmente te ajudando com tudo!
Entre em contato pelo e-mail: comercial@gerati.com.br
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬

► Site : http://www.gerati.com.br
► Serviços exclusivos: http://geratisolucoes.com.br
► Facebook : https://www.facebook.com/gerati.loja/
► Facebook : https://www.facebook.com/geratisolucoesti
► Blog: https://gerati.wordpress.com/
► Twitter: https://twitter.com/Gerati_Games
► Video: https://www.youtube.com/user/geratisolucoesti

 
Deixe um comentário

Publicado por em setembro 14, 2018 em Noticias

 

Tags: , , , , , , , ,

Zuckerberg pede desculpas por Cambridge Analytica e anuncia pente fino

CEO do Facebook diz que confiança dos usuários “foi quebrada”. E anuncia investigação de todos os apps em atividade na rede social. mark

Após quase cinco dias de silêncio depois que o escândalo do uso indevido de dados de 50 milhões de usuários do Facebook pela consultoria política Cambridge Analytica estourou, o fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, finalmente veio a público se explicar.

Em um post publicado em sua página oficial do Facebook, Zuckerberg faz uma recapitulação dos fatos em torno da Cambridge Analytica, diz que a empresa está trabalhando para averiguar e entender o que aconteceu, confirma que a companhia está em conversa com órgãos regulatórios e admite que a confiança entre a rede social e seus usuários “foi quebrada”.

“Isso [o escândalo] foi uma quebra de confiança entre [Aleksandr] Kogan, Cambridge Analytica e Facebook. Mas também foi uma quebra de confiança entre o Facebook e as pessoas que compartilham seus dados conosco e que esperam que nós os protejamos. Precisamos corrigir isso”. “Temos a responsabilidade de proteger seus dados, e se não conseguimos, então não merecemos servir vocês”, escreve Zuckerberg.

Medidas duras

No post, o CEO anuncia algumas das novas medidas tomadas e promete que mais virão em breve:

1- Investigar todos os apps que, no passado, tenham tido acesso a grandes volumes de informações antes da mudança da regra do uso de dados implementada em 2014, e fazer uma auditoria completa em qualquer app de atividade suspeita. Os desenvolvedores que não concordarem com a auditoria serão banidos da plataforma, garante Zuckerberg. E aqueles que for provado estiverem fazendo mau uso de dados pessoais identificáveis serão banidos e os usuários afetados informados. Isso, segundo Zuckerberg, vai incluir pessoas afetadas pelo uso do app de Kogan.

2- Restringir ainda mais o acesso dos desenvolvedores a dados pessoais para, segundo Zuckerberg, prevenir outros tipos de abuso. Por exemplo, remover o acesso dos desenvolvedores aos dados de usuário se o usuário nao tiver acessado o app nos últimos 3 meses. E daqui para frente permitir que um app possa receber apenas nome, foto do perfil e endereço de email do usuário. Uma medida complicada: exigir que os desenvolvedores não só obtenham a aprovação do acesso aos dados mas também que tenham de ter um contrato assinado quanto quiserem ter acesso aos posts e outros dados privados de alguém.

3- Nos próximos meses, o Facebook apresentará no topo do News Feed dos usuários uma ferramenta que mostra os apps que ele usou e com um recurso fácil para revogar o acesso aos dados para esses apps. O recurso existe dentro da área de controle de privacidade, mas agora a empresa quer mantê-la na frente dos usuários o tempo todo.

Cambridge Analytica

Sobre o escândalo, que custou ao Facebook até agora a perda de US$ 52 bilhões de dólares em valor de mercado, Zuckerberg afirma que está trabalhando para entender o que aconteceu e para ter certeza de que não vai acontecer de novo. E insiste que a empresa já teria tomado as medidas para evitar esse problema em 2014. “As medidas mais importantes para evitar que isso aconteça de novo hoje já foram tomadas anos atrás. Mas nós também erramos, há mais para fazer e nós precisamos nos mexer e fazer”.

Zuckerberg garante que o Facebook baniu o app do pesquisador Aleksandr Kogan em 2015 ao ser alertado de que ele teria compartilhado os dados com a consultoria. E que teria recebido a confirmação de ambos de que os dados tinham sido apagados dos servidores. “Na semana passada, com as reportagens do The Guardian, The New York Times e Channel 4 denunciando que a Cambridge Analytica poderia não ter apagado os dados como tinham dito, nós imediatamente banimos ambos de usarem nossos serviços”, escreve Zuckerberg.

Segundo o fundador do Facebook, uma firma de auditoria forense foi contratada e vai analisar os servidores da Cambridge Analytica, que concordou com a auditoria.

“Eu criei o Facebook e, no final do dia, eu sou o responsável pelo que acontece na nossa plataforma. Estou seriamente comprometido em fazer o que for necessário para proteger a nossa comunidade. Embora esse problema específico envolvendo a Cambridge Analytica não deveria nunca mais acontecer com os apps de hoje, isso não muda o que aconteceu no passado. Vamos aprender com essa experiência a proteger nossa plataforma ainda mais e fazer nossa comunidade mais segura daqui para frente”, escreve um contrito Zuckerberg.

* Colaborou Silvia Bassi, especial para o IDGNow!

Fonte : IDGNow

Curtam nossas páginas

Acessar-o-link-agorazap

Skype: gerati.vendas

Curta e Compartilhe

CONTATO DIRETO: comercial@gerati.com.br
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
►Para DÚVIDAS, MANUTENÇÃO, SUPORTE ou COMPRA DE PCs temos as CONSULTORIAS onde você terá suporte do próprio dono do canal pessoalmente te ajudando com tudo!
Entre em contato pelo e-mail: comercial@gerati.com.br
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬

► Site : http://www.gerati.com.br
► Serviços exclusivos: http://geratisolucoes.com.br
► Facebook : https://www.facebook.com/gerati.loja/
► Facebook : https://www.facebook.com/geratisolucoesti
► Blog: https://gerati.wordpress.com/
► Twitter: https://twitter.com/Gerati_Games
► Video: https://www.youtube.com/user/geratisolucoesti

 
Deixe um comentário

Publicado por em março 22, 2018 em Noticias, Windows XP

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Anúncio falso dos Correios no Facebook instala vírus no PC da vítima

01-correio

A internet é uma armadilha, e quem não está esperto pode levar a pior. A mais nova dessas emboscadas circula pelo Facebook em forma de post patrocinado que leva para um site praticamente idêntico ao dos Correios, mas que baixa um arquivo .zip para infectar o computador da vítima.

O post circula livremente das redes sociais, uma vez que o Facebook não filtra seus anunciantes. A empresa apenas verifica se há algum problema caso algum usuário reporte alguma situação inadequada por meio das ferramentas da companhia.

A publicação se apresenta como o próprio site dos Correios, com link para uma página que se assemelha à área de rastreamento de encomendas da estatal. No entanto, não importa qual código de rastreamento seja colocado no campo de buscas, o site baixa um arquivo .zip com arquivos danosos à máquina.

 correios

No Facebook, a página utiliza o logo dos Correios como imagem de perfil, mas usa o nome “Rastreiototal”. O link, por sua vez, direciona para um outro domínio, chamado de “rastreioveloz”; nenhuma das marcas tem nada a ver com a estatal.

Em comunicado enviado ao Olhar Digital, os Correios dizem estar investigando o caso, mas confirmam que a página não tem nada a ver com a empresa.

“Os Correios estão apurando o caso e acionarão os representantes do Facebook no Brasil para solucioná-lo. Como prestadores de serviços de interesse coletivo, assim como as instituições bancárias, a empresa é alvo frequente de ações de grupos ou pessoas com interesses mal intencionados. Os Correios alertam os seus clientes que não abram links que não sejam de seus canais oficiais de comunicação e reiteram que não enviam, em hipótese alguma, mensagens eletrônicas sem autorização do cliente, tampouco concede permissão para que terceiros o façam em seu nome. Orientações como essa são disponibilizadas no site dos Correios (www.correios.com.br) e, também, na página oficial no Facebook (www.facebook.com/correios/)”

 

Fonte: Olhar Digital

Pedidos e cotações

Acessar-o-link-agora

zap

Skype: gerati.vendas

Curta e Compartilhe

CONTATO DIRETO: comercial@gerati.com.br
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
►Para DÚVIDAS, MANUTENÇÃO, SUPORTE ou COMPRA DE PCs temos as CONSULTORIAS onde você terá suporte do próprio dono do canal pessoalmente te ajudando com tudo!
Entre em contato pelo e-mail: comercial@gerati.com.br
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬

► Site : http://www.gerati.com.br
► Serviços exclusivos: http://geratisolucoes.com.br
► Facebook : https://www.facebook.com/gerati.loja/
► Facebook : https://www.facebook.com/geratisolucoesti
► Blog: https://gerati.wordpress.com/
► Twitter: https://twitter.com/Gerati_Games
► Video: https://www.youtube.com/user/geratisolucoesti

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em janeiro 31, 2018 em Noticias, Windows XP

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Facebook para o trabalho’ deve ser lançado em janeiro

facebook-at-work

A versão do Facebook para ser usada no trabalho está quase pronta e será lançada no começo de janeiro, segundo informa o Wall Street Journal. A novidade, batizada de “Facebook at Work”, é testada por menos de uma dúzia de companhias e ainda está sendo finalizada.

O WSJ informa que o produto inicialmente será gratuito e sem publicidade. E será oferecido apenas a empresas que pedirem para participar.

É a terceira vez que essa iniciativa surge no noticiário. Na semana passada, o Financial Times trouxe a informação de que o produto já estava em testes e, em junho, o TechCrunch tratava pela primeira vez sobre o que então era chamado de “FB@Work”.
Ele teria um formato quase idêntico ao Facebook convencional, com feed de notícias, grupos e chat, mas sem fotos de família, baladas etc. Ao separar a vida pessoal dos usuários da profissional, o Facebook dribla a desconfiança de muitas empresas que bloqueiam o acesso à rede social para evitar distrações e ainda entra no mercado corporativo, hoje dominado por sites como LinkedIn.

Curta e compartilhe
Gerati Soluções em TI

 
Deixe um comentário

Publicado por em novembro 24, 2014 em Noticias

 

Tags: , , , , ,

Estudo polêmico do Facebook mostra o poder das empresas de tecnologia

Estudo polêmico do Facebook serve de prova para os críticos que há muito tempo argumentam que a rede social é poderosa demais e que necessita ser regulamentada ou monitorada

polêmico-do-facebook-tecnologia

 A revelação feita recentemente de que oFacebook mexeu com os feeds de notícias de perto de    700 mil usuários como parte de uma experiência psicológica realizada em 2012, desnudou  inadvertidamente o que poucas empresas de tecnologia reconhecem: o fato de que possuem  poderes enormes para monitorar de perto, testar e até mesmo modelar nosso comportamento,  geralmente sem que conheçamos tais capacidades.

 LEIA MAIS: Saiba como evitar os chatos no Facebook

 A publicação do estudo segundo o qual apresentar às pessoas mensagens levemente felizes nos  feeds as fazia publicar atualizações mais felizes e que mensagens tristes geravam posts tristes,  deu origem a uma torrente de indignação de pessoas que consideraram perturbador o fato de que  o Facebook brincaria com as emoções de usuários insuspeitos.

 Como o estudo foi conduzido em parceria com pesquisadores acadêmicos, também deu a  impressão de violar as regras que protegem as pessoas de se tornar objeto de estudo sem  autorização. Várias agências de privacidade da Europa começaram a examinar se o estudo violou leis locais a esse respeito.

Porém, se virmos o estudo do Facebook e sua publicação como uma maneira pela qual usamos a mídia social, o fato pode fornecer vislumbres importantes acerca de alguns dos mistérios mais profundos do comportamento humano.

O Facebook e boa parte do resto da web estão cultivando placas de Petri de contato social, e muitos pesquisadores de ciências sociais acreditam que ao analisar nosso comportamento online, poderiam descobrir por que e como as ideias se espalham por meio de grupos, como formamos nossas visões políticas e o que nos persuade a agir com base nelas, e até mesmo por que e como as pessoas se apaixonam.

A maioria das empresas da internet realiza experiências extensivas com os usuários para testar produtos e com outros fins comerciais, mas o Facebook deu um passo incomum adiante ao se associar a acadêmicos interessados em pesquisar temas não imediatamente pertinentes aos seus negócios. Tais esforços resultaram em várias descobertas importantes nas ciências sociais.

polêmico-do-facebook-tecnologia-como-se-proteger

 Compreender para se proteger

 Entretanto, existe outro benefício ao incentivar a pesquisa no Facebook. É somente  compreendendo o poder da mídia social que podemos começar a nos defender contra seus  piores abusos potenciais. O estudo mais recente do Facebook provou que ele pode influenciar os  estados emocionais das pessoas – você não ficou feliz com isso? Críticos que há muito tempo  argumentam que o Facebook é poderoso demais e que necessita ser regulamentado ou  monitorado agora podem citar a própria pesquisa da empresa como prova.

 Depois do protesto contra a pesquisa do Facebook, podemos ver poucos desses estudos da  empresa e do resto do setor da tecnologia. Seria uma pena.

“Seria devastador”, afirmou Tal Yarkoni, pesquisador de psicologia da Universidade do Texas, campus de Austin. “Até agora, se você conhecesse a pessoa certa no Facebook e fizesse uma pergunta interessante, um pesquisador poderia conseguir que colaboradores dentro da empresa trabalhassem nesses problemas interessantes. Porém, o Facebook não precisa fazer isso. Eles têm muito a perder e quase nada a ganhar com a publicação”.

Geralmente não se sabe quem foi escolhido para uma experiência do Google ou Facebook. Usuários que são colocados em grupos experimentais são selecionados por acaso, geralmente sem seu conhecimento. Embora o Facebook agora diga que as pessoas aceitam tais testes quando fazem a assinatura do site, os usuários não recebem avisos extras ao serem incluídos num estudo.

O problema é que obter o consentimento pode complicar os resultados experimentais.
“O Facebook poderia lançar um balão de ensaio pedindo para os usuários concordarem em participar de cada teste, mas isso bagunçaria os resultados, pois as pessoas estariam se selecionando para o estudo”, disse Yarkoni – problema semelhante é enfrentado por pesquisadores médicos e de ciências sociais que não atuam na internet.

Poder assombroso da tecnologia

Boa parte da pesquisa que Facebook e Google realizam para aprimorar os próprios produtos é feita em segredo, mas nem tudo é segredo. O Google admitiu executar perto de 20 mil experiências em seus resultados de pesquisa todo ano. Certa feita ele testou 41 tons de azul em seu site, cada cor destinada a um grupo diferente, só para saber qual tom se traduzia em maior envolvimento dos usuários.

Nos últimos anos, o Facebook expandiu sua equipe de dados científicos para conduzir um grande número de estudos públicos. De acordo com a empresa, a missão da equipe é alterar nossa compreensão da psicologia humana e da comunicação ao estudar o maior ponto de encontro do mundo. Até agora, ela produziu vários insights valiosos.

Em 2012, a equipe de dados publicou um estudo que analisou mais de 250 milhões de usuários; os resultados derrubaram a teoria da “bolha do filtro”, o antigo temor segundo o qual as redes online nos mostram notícias que reforçam nossas crenças, trancafiando-nos em nossas próprias câmeras de eco. A exemplo da nova pesquisa sobre as emoções, aquele experimento também removeu determinadas postagens dos feeds dos usuários.

Em outra experiência, o Facebook dividiu ao acaso 61 milhões de usuários norte-americanos em três campos no dia da eleição de 2010, e mostrou a cada grupo uma mensagem (ou nenhuma mensagem) diferente, sem vínculo partidário, estimulando o voto. Os resultados mostraram que determinadas mensagens aumentaram significativamente a tendência das pessoas votarem – não apenas pessoas que utilizavam o Facebook, mas até mesmo os amigos que não usavam.

Zeynep Tufekci, professora auxiliar da Escola de Informação e Biblioteconomia da Universidade da Carolina do Norte, destaca que vários desses estudos servem para ressaltar o poder assombroso que a empresa tem sobre nossas vidas.

“Eu li aquilo e pensei que o Facebook controlava as eleições”, ela disse. “Se podem nos convencer a votar, também poderiam convencer alguns de nós individualmente, e sabemos que eles conseguem definir se você é republicano ou democrata – e as eleições são decididas por algumas centenas de milhares de eleitores em determinados Estados. Então, o poder de convencimento de que dispõem é um poder de verdade”.

Tufekci ofereceu uma convocação às armas emocionante contra o Facebook, Google e outros gigantes da internet por causa de sua capacidade de modelar o que fazemos neste mundo. Ela tem um argumento valioso.

Porém, se cada estudo demonstrando o poder do Facebook for saudado por um protesto contra seu poder, a empresa e outros sites não vão mais revelar pesquisa alguma sobre seu funcionamento. E não é melhor conhecer sua força e tentar se defender contra ela do que nunca ficar sabendo?

Curta e Compartilhe

Gerati Soluções em TI

 
Deixe um comentário

Publicado por em julho 14, 2014 em Noticias

 

Tags: , , , , , ,

Bloquear Facebook utilizando Regras e Aliases no pfSense

Olá galera, hoje nós da GERATI vamos apresentar como bloquear o site do Facebook através de regras no PFSense. De inicio pode ser bem trabalhoso para adicionar as redes/cidr mas uma vez feito funciona que é uma maravilha, segue tutorial abaixo:

Bloquear Facebook utilizando Regras e Aliases no pfSense

Com esse tutorial você aprende a:

  • Criar Aliases no pfSense
  • Utilizar Alias nas Regras (Rules) do pfSense

Esse tutorial contempla uma forma simples de bloqueio do Facebook, utilizando Regras (Rules) na LAN eAliases.

Passo a passo:
1- Crie um Alias em Firewall: Aliases, clicando no botãoe configure os campos conforme figura abaixo:

alias_facebook01

No campo Name, especifique o que for mais adequado para seu caso. Porém, tenha em mente que esseName será utilizado nas regras da LAN mais abaixo (no meu caso utilizei testefacebook).
Note que os endereços das networks do Facebook estão no formato Network-CIDR, conforme lista abaixo:

31.13.24.0/21
31.13.64.0/19
31.13.64.0/24
31.13.69.0/24
31.13.70.0/24
31.13.71.0/24
31.13.72.0/24
31.13.73.0/24
31.13.75.0/24
31.13.76.0/24
31.13.77.0/24
31.13.78.0/24
31.13.79.0/24
31.13.80.0/24
66.220.144.0/20
66.220.144.0/21
66.220.149.11/16
66.220.152.0/21
66.220.158.11/16
66.220.159.0/24
69.63.176.0/21
69.63.176.0/24
69.63.184.0/21
69.171.224.0/19
69.171.224.0/20
69.171.224.37/16
69.171.229.11/16
69.171.239.0/24
69.171.240.0/20
69.171.242.11/16
69.171.255.0/24
74.119.76.0/22
173.252.64.0/19
173.252.70.0/24
173.252.96.0/19
204.15.20.0/22

Feito isso, clique em Save e, em seguida, Apply changes.

2- Crie uma Regra na LAN em Firewall: Rules clicando no botãoconforme abaixo:

regra_lan_bloq_facebook02

Clique em Save e, em seguida, Apply changes.

Lembre-se que o efeito das regras é sempre aplicado no sentido de cima para baixo. Então certifique-se da posição dessa nova Regra em relação às outras Regras na LAN.

Curta e compartilhe Gerati

 

 
27 Comentários

Publicado por em abril 15, 2014 em PFSense

 

Tags: , , , , , ,